Publicitários, pausa para um cafezinho?

Um dos setores mais fortes no que se refere à pausa para o cafezinho é o da publicidade e propaganda. Os publicitários são conhecidos trabalhar horas e horas a fio, varando a madrugada e tudo mais. Isso faz parte do dia a dia das agências de propaganda. De São Paulo, passando por Nava York e chegando até Tóquio. Em todo o mundo é assim. Parece, e é, muito mais transpiração do que inspiração.

Os cafés fazem parte do sistema de defesa da propaganda, eles são parte integrante da dinâmica de trabalho. Obviamente isso se estende por outros setores, mas com os publicitários a relação é mais do que especial. Por isso, as agências, como política de recursos humanos, tem investido cada vez mais em cafés de qualidade para os funcionários, bem na pegada das gigantes de tecnologia que mimam os empregados de toda forma quanto possível. Nesse sentido, os cafés especiais estão com tudo e não estão pra prosa.

A moda agora são os clube de assinatura de café, eles estão com tudo. Entre os funcionários é um movimento que pegou de vez, diz um dos sócios de uma empresa de marketing digital, Jeferson Coimbra: “Aqui na agência, que tem mais de 150 colaboradores, quase 80% das pessoas tem algum tipo de assinatura de café gourmet. É incrível como isso se tornou quase uma obrigatoriedade aqui”, afirma brincando. Por isso, as agências de propaganda entraram na jogada e tem feito de tudo. Eles assinam clube de café gourmet de todo tipo, de muitas variedades, do mundo todo.

Mas o que está por trás disso tudo? Ah, agora sim. Finalmente, a pegadinha, a agenda dos cafés gourmet. Eles fazem as pessoas ficarem mais tempo trabalhando. Muito mais tempo. Segundo estudos de importantes universidades, o coffee effect, como tem sido chamado, é única e exclusivamente responsável por uma extensão de uma hora, uma hora!!!, a mais no dia a dia de trabalho. Trata-se de uma aumento, de 8%, só baseado nos cafés especiais. É incrível o efeito que eles tem sobre estes profissionais. Mas será que isso vai durar? Será que todos ficarão com insônia? Quais são os efeitos negativos dessa onda?

Segundo especialistas em política de trabalho e recursos humanos as agências devem fazer um tracking de toda este aumento de carga de trabalho porque podem haver consequências no longo prazo. Por outro lado, outros dizem que a carga horária do setor já é altíssima e que o café só traz benefícios, como o aumento da energia e tal. Enfim, uma pausa para o cafezinho?

clube de assinatura de café especial

 

Comments Off on Publicitários, pausa para um cafezinho?

História da dupla de criação

Existe toda uma mítica sobre a dupla de criação. Para alguns, heróis, artistas. Para outros, charlatões. Afinal, são criativos? O que é ser criativo? É a mesma coisa que ser original? Os criativos são algum dos dois? São várias as indagações polêmicas que surgem a respeito dessa ala de publicitários. A verdade é que, independente do que você acha, o trabalho de um criativo não é fácil. Não mesmo. O que pode parecer um trabalho descompromissado e livre de responsabilidade verdade vem em volumes enormes e é cheio de cobranças. Podemos até dizer que, com o perdão do drama, o redator e o diretor de arte são figuras em certa medida trágicas. Falar um pouco desses seres misteriosos é importante para tentar compreendê-los.

Primeiro, temos o paladino do layout, o guerreiro do brush: o diretor de arte. O lema da vida de um diretor de arte é terrivelmente simples: deixar bonito. Deixar bonito o anúncio de revista, deixar bonito o board da ação, deixar bonito o post de Facebook, deixar bonito o que quer que o diretor de criação fale para ele deixar bonito. E como o diretor de criação tem um gosto difícil. Para ele, começa a ficar bonitinho a partir do décimo layout. E eu disse bonitinho. Bonitinho ainda não é bonito. Lá para o vigésimo quinto layout, ele chega em algo bonito. Daí, o diretor de criação olha e fala que agora o objetivo é deixar mais bonito. É nesse momento que o diretor de arte sente o impulso de jogar o Mac pela janela e seguir seus sonhos de pintar quadros impressionistas enquanto a brisa do mar toca seu rosto. Mas ele não faz isso. Ele continua. E é assim que o nosso paladino desbrava as madrugadas em busca do layout com o equilíbrio perfeito.

Mas o diretor de arte não seria uma criatura completa sem a sua cara metade: o mago das palavras, o devoto do título, o redator. A menina dos olhos do redator é o título, essa misteriosa substância que ele tira do éter e acha que é a salvação para todos os problemas do mundo. Ele é obsecado por títulos, invariavelmente. Confiante de seu expertise, o nosso mago abre o Word e abstrai uns quinze títulos, tendo certeza que possui doze bons e três brilhantes. Daí, mostra para o diretor de criação, que nem olha e fala para a criatura fazer mais. Pronto. Aquilo foi como uma espada atravessando seu peito e fazendo seu ego sangrar. O redator quase enlouquece e pensa seriamente em sair da agência naquele exato momento e publicar seu compilado de narrativas que ele tem certeza que vai ser o maior sucesso literário desde O Senhor dos Anéis. Mas isso seria admitir derrota. Então ele volta para a mesa e dá à luz a umas 10 páginas de títulos. Agora sim, no meio de alguns trocadilhos e frases feitas, o diretor de criação elege três bons. Mas um precisa diminuir para não ocupar muito espaço no layout. Daí, o redator volta a escrever posts, folhetos e o convite para a festa da filha do diretor de criação, sempre esperando o dia em que voltará a fazer títulos.

Eis a trágica história da dupla de criação.

Comments Off on História da dupla de criação

A publicidade e as redes sociais

publicidade redes sociais

Através da internet os negócios encontraram novas formas de se conectar a seus consumidores de uma forma que nunca se imaginaria no passado. No entanto, o comportamento das pessoas online mudou radicalmente nos últimos anos com o surgimento de plataformas que possibilitam novas formas de interação com o conteúdo e os usuários que estão disponíveis. É imprescindível que as marcas compreendam essas mudanças para comunicar de forma mais efetiva.

Facebook, Twitter, Instagram e Snapchat, dentre outros exemplos, nada são além de plataformas digitais que permitem que seus usuários interajam entre si, compartilhando mensagens e conteúdo que consideram relevantes para aqueles a seu redor. E nesse universo de ambientes cada vez mais focados na experiência do usuário, não faz sentido que as marcas continuem sendo intrusas.

Gritar sobre o seu produto e esperar que escutem não funciona mais quando esse grito vem em meio a um mar de informação relevante. A audiência não está mais sentada esperando o conteúdo chegar como na televisão, ela está navegando através de páginas, plataformas e mensagens; procurando informação e entretenimento para montar a sua própria programação. Nesse contexto não há espaço para o que não é de fato relevante e interessante, e isso inclui a sua marca.

Para solucionar esse problema, muitas marcas recorrem ao Marketing de Conteúdo, estratégia que vem ganhando importância e sendo alvo de discussões centrais no meio publicitário desde que, em 2002, o Festival de Cannes inaugurou a categoria “Titanium” para premiar a série de filmes “The Hire”, da BMW. Trata-se de uma possibilidade que parte de um raciocínio muito simples: ao invés de correr atrás dos clientes todos os dias pelo resto da vida gritando mensagens que muitas vezes não são interessantes, as marcas começam a produzir conteúdo relacionado a seu universo de atuação e utilizá-lo como uma “isca”, trazendo os consumidores para suas plataformas através de assuntos com os quais eles realmente se importam. A ideia é que ele esteja em busca de algo, acabe encontrando você, associando aquele conteúdo relevante a sua marca e seus produtos e, quem sabe, ainda tenha vontade de mostra aquilo para seus amigos e conhecidos. Ao invés de interromper a navegação do usuário, você faz com que ele queira ter a sua marca nessa navegação.

É através de conteúdo que grandes marcas tem impactado e se conectado a seus consumidores. Não importa se o formato é vídeo, texto, áudio ou o que quer que seja; o que importa é entender o que o seu consumidor procura para poder ser relevante para ele.

Prêmio de publicidade Cannes Lions 2015

publicidade vendedores

Atualmente a edição 2015 do prêmio de publicidade Cannes Lions esta ocorrendo e enquanto os ganhadores continuam a sair podemos perceber cada vez mais as tendências e a evolução do mercado publicitário nos últimos anos. Não só o aumento de peças envolvendo em algum formato ações digitais, mas também a integração cada vez mais refinada delas com suas contrapartes no mundo do impresso e do vídeo.

premio publicidade

Outra marca forte é a premiação de ainda mais campanhas com uma abordagem voltada para os problemas do dia-a-dia como o papel que a sociedade tenta incutir na mulher ou a importância da comunicação para sobrepor a ditadura e o totalitarismo político. Essas premiações mostram um novo foco dos profissionais de publicidade e do que é considerada “boa publicidade”, provando que a era da piada pela piada ou do conteúdo sem pertinência estão cada vez mais para trás no mundo da propaganda.

Podemos perceber também que mais prêmios têm sido ganhos com trabalhos feitos para clientes que não são famosos por seus investimentos em publicidade tradicional, com Soundclound e Apple levando troféus em Grand Prix. Claro que muitas empresas com histórico na premiação como Volvo se mantém presentes, mas a vitória através de comunicações que são extremamente alinhadas as suas visões de marca provam que muitas empresas podem encontrar diferentes maneiras de adquirir um espaço e principalmente reinventar uma voz em um mercado já tão cheio.

publicidade vendedores

Seguem os ganhadores até o momento:

– Cyber – I Will What I Want

– Radio –The Berlin Wall of Sound

– Product Design – Lucky Iron Fish Project

– Design – Life Paint

– PR – Like a Girl

– Creative effectiveness – Epic Split

– Media – Red Light Application

– Glass – Touch the Pickle

– Outdoor – Shot on Iphone 6

– Direct – Interception

– Mobile – Cardboard

– Press – Never Stop Riding

– Promo and Activation – Life Paint

– Health – Take It From a Fish

– Health – This Girl Can

– Health – Intimate Words